Crianças também podem ter colesterol alto ?

colesterol

Apesar de ser uma condição geralmente associada a pessoas mais velhas, o colesterol alto pode acometer pessoas de todas as idades, inclusive as crianças.

Quando índices elevados de colesterol se apresentam desde a infância, o risco de a pessoa vir a sofrer com doenças cardíacas, aterosclerose, infarto e AVC, quando adulta, e até mesmo antes dos 50 anos, é muito maior.

E a depender do nível de aumento desses índices, ainda na infância, ela pode começar a ter a formação de placas de gordura nas artérias.

Quando não diagnosticado e controlado precocemente, o colesterol na infância pode levar ao surgimento de diversas doenças na fase adulta que aparentemente surgem de forma “silenciosa”, mas que poderiam ser evitadas com o cuidado com o colesterol desde cedo.

Causas do colesterol alto na infância

Apesar de a obesidade infantil, o histórico familiar e doenças associadas ou medicamentos que elevam o colesterol serem algumas das causas do colesterol elevado em crianças, a principal causa ainda é um estilo de vida sedentário e má alimentação.

Embora seja mais rara, também é possível que a causa seja genética hereditária. Ou seja, a criança herda um histórico familiar de colesterol alto. Famílias que possuem esse diagnóstico devem estar mais atentas.

Diagnóstico e tratamento

Como o colesterol alto não apresenta sintomas e os pais e as pessoas em geral não costumam imaginar que as crianças podem ter índices elevados dessa gordura, o diagnóstico é dificultado.

Mas diagnosticar precocemente e tratar o colesterol alto é fundamental a fim de evitar que a criança venha a sofrer com problemas cardíacos e outras doenças na fase adulta.

Por isso, as autoridades de saúde recomendam que o colesterol comece a a ser medido a partir dos dez anos de idade em crianças saudáveis. Já em crianças que possuem histórico familiar de colesterol, diagnóstico de diabetes, obesidade ou doenças cardíacas, a dosagem já deve ser feita a partir dos dois anos de idade.

Os valores de referência para colesterol em crianças e adolescentes são:

Colesterol Total- menor que 170 mg/dl
Colesterol HDL (bom)- maior que 45 mg/dl
Colesterol LDL (ruim)-menor que 110 mg/dl

A família deve procurar um endocrinologista ou pediatra caso o LDL esteja acima do valor ideal, principalmente se for superior a 130mg/dl.

Colesterol: Tratamento

tratamento inicial se baseia principalmente em mudanças de estilo de vida e alimentação, incluindo o aumento da prática de atividade física, adequação da dieta (pobre em gorduras e rica em fibras) e controle do peso.

O ideal é que os familiares incentivem as crianças a descobrirem afinidade com algum esporte ao qual possam se dedicar como forma de atividade física. Dentro de casa, a diminuição de estímulos de comidas calóricas e saturadas também é fundamental. Dificilmente a criança vai conseguir ou entender que precisa comer alimentos saudáveis se vê as pessoas em sua casa comendo alimentos gordurosos.

A dieta dela precisa ser rica em alimentos com fibras, de preferência integrais, além de frutas e vegetais, evitando salgadinhos de pacote, biscoitos recheados, refrigerantes, salgados fritos, etc. Se a criança ou adolescente tem muito contato ou hábito de consumir esses alimentos fora de casa (na escola, por exemplo) o ideal é que leve outras opções de lanche preparados em casa com baixo teor de gordura.

Quando apenas as mudanças de hábitos não são suficiente e/ou os níveis de colesterol são muitos altos, o médico pode indicar o tratamento com remédios.

Além disso, para melhor controle do colesterol nessa fase é recomendável:
Perder peso, em caso de crianças com obesidade;
Realizar exames periódicos para acompanhar o colesterol e triglicérides;
Parar de fumar, em casos de adolescentes com esse vício.

Artigos mais recentes
Assine a Nutroendo News
Onde estamos

Bom Jesus do Itabapoana

Rua Ten. José Teixeira, 488

Centro | Bom Jesus do Itabapoana

Rio de Janeiro | CEP: 28360-000

AGENDE UMA CONSULTA